Para Ministério Público de SP, novo Código Florestal é injusto e caótico

Em entrevista concedida à Revista Época (Blog do Planeta), a Procuradora de Justiça, Lídia Helena Ferreira da Costa dos Passos, coordenadora do Centro de Apoio Operacional Cível e de Tutela Coletiva do Ministério Público do Estado de São Paulo, faz críticas ao novo Código Florestal. Segundo ela, o novo Código abre brechas para devastação e anistia quem burlou a lei no passado. Lídia coordena o Projeto Florestar, uma iniciativa do MPSP para padronizar a atuação dos promotores do estado. Ela respondeu as perguntas de Época sobre o Código.

Época: Como a senhora vê o novo Código Florestal? Seria mais claro e menos ambíguo do que as leis e decretos federais anteriores?

Lídia Passos: Eu não chamaria assim a nova lei florestal. A lei produzida – ao longo de um desgastante e excepcionalmente conturbado processo legislativo – não constitui propriamente um “código florestal”. O conceito de “código florestal” remeteria a um conjunto sistemático de disposições legais relativas à proteção das florestas e da (riquíssima) biodiversidade no Brasil…e a ideia de “novo”, nesse caso, apontaria para uma esperada evolução em relação à lei anterior (de 1965). Esse conceito normativo que envolve método científico, transparência de interesses e consistência sistêmica de forma alguma se aplica ao arranjo de disposições legais que os legisladores afinal entregaram ao país. Podemos tranquilamente reconhecer que a lei 12.651/12 (chamada de novo Código Florestal) nos remete mais à ideia de um “arranjo normativo” do que a um autêntico código florestal, conforme inicialmente se esperava. Daí a frustração e a polêmica que caracterizam os debates sobre a legitimidade da nova lei, que já nasceu velha. Representou, sem dúvida, retrocesso.

(mais…)

Continuar lendoPara Ministério Público de SP, novo Código Florestal é injusto e caótico

Crime ambiental de extrema gravidade!!

A Prefeitura de Belo Horizonte trabalha para viabilizar a venda de 414 terrenos limítrofes à EE de Fechos. Se aprovado, o Projeto de Lei 1304/2014 será responsável pelo fim desta área de preservação, abrigo de espécies ameaçadas de extinção e fonte de abastecimento de água para cerca de 200 mil pessoas na região Sul de BH.

Vereadores querem barrar venda de lotes no bairro Jardim Canadá

Fernando Dutra – Hoje em Dia

jhojeemdia031214A Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) apresentou substitutivo ao Projeto de Lei 1304/2014, que desafeta 414 lotes no bairro Jardim Canadá, na divisa com Nova Lima, atestando que os recursos obtidos com a venda dos terrenos sejam destinados exclusivamente para habitação popular. Os terrenos da prefeitura são limítrofes ao Parque Ecológico de Fechos, responsável pelo abastecimento de água para a Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) e de mais de 300 mil moradores da região sul da capital.

(mais…)

Continuar lendoCrime ambiental de extrema gravidade!!

A Serra do Gandarela e o malfeito de Dilma

Gandarela

Texto escrito por José de Souza Castro:

Faltando 52 dias para encerrar meu contrato com outro jornal mineiro, para redigir seus editoriais, publiquei ali, no dia 27 de abril deste ano, um texto intitulado “Pensando grande em Rio Acima”. Elogiava o prefeito Antônio César Pires de Miranda Junior, do PR, pelo tombamento municipal do Conjunto Histórico, Arquitetônico, Natural, Arqueológico e Paisagístico do Gandarela. Escrevi:

(mais…)

Continuar lendoA Serra do Gandarela e o malfeito de Dilma

Diretor de parque diz que principal nascente do Rio São Francisco secou

‘Nunca vi essa situação em toda a história’, afirmou Luiz Arthur Castanheira.
Bacia abrange 5 estados; biodiversidade está ameaçada, diz especialista.

Principal nascente que secou fica na cidade mineira de São Roque de Minas (Foto: Anna Lúcia Silva/G1)
O diretor do Parque Nacional da Serra da Canastra, Luiz Arthur Castanheira, disse em entrevista ao G1 na tarde desta terça-feira (23) que a nascente do Rio São Francisco, situada em São Roque de Minas, secou. Segundo Castanheira, essa nascente é a principal de toda a extensão do rio, que tem 2.700 km. O São Francisco é o maior rio totalmente brasileiro, e sua bacia hidrográfica abrange 504 municípios de sete unidades da federação – Bahia, Minas Gerais, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Goiás e Distrito Federal. Ele nasce na Serra da Canastra, em Minas, e desemboca no Oceano Atlântico na divisa entre Alagoas e Sergipe.

(mais…)

Continuar lendoDiretor de parque diz que principal nascente do Rio São Francisco secou

Ainda vamos precisar de muito mais água

Publicado por Carolina Salles em JusBrasil Newsletter
Por Victor Augusto e Elton Rodrigues

Leito de rios completamente secos, nascentes sem verter, reservatórios com níveis ínfimos. Paisagem com chão rachado, animais aquáticos mortos e vegetação, antes submersa, totalmente fora d’água. É o reflexo da seca dos últimos dez anos, um dos piores períodos de estiagem do Noroeste paulista. Cenário que evidencia cada vez mais a falta d’água na região conhecida como dos “grandes lagos”.

As imagens mostram os efeitos do tempo seco nos dias atuais, mas a crise de água na região vem de longa data. Dados do Comitê da Bacia Hidrográfica dos rios Turvo/Grande mostram que a oferta hídrica vem diminuindo ano a ano. Em seis anos, as bacias Turvo/Grande e São José dos Dourados, que atendem a região, perderam 274,9 mil litros por habitante/ano, quantidade correspondente a 109 piscinas olímpicas.

(mais…)

Continuar lendoAinda vamos precisar de muito mais água

Parte de terreno da PBH está na Estação de Fechos

bhprimo

Amália Goulart – Hoje em Dia

Parte do terreno de 151,4 mil metros quadrados que a Prefeitura de Belo Horizonte quer vender para a iniciativa privada em Nova Lima está localizado em uma área de proteção ambiental, que concentra mananciais que abastecem a capital mineira. Nessa quarta-feira (17), a assessoria de imprensa da PBH admitiu que parte dos lotes estão concentrados na Estação Ecológica de Fechos.

A Prefeitura de Nova Lima promete não facilitar a vida de quem se dispuser a comprar o terreno.

“Ali estão mananciais que abastecem não só Nova Lima, mas Belo Horizonte também. Com a falta de água que vemos em outros Estados, não vamos admitir que se construa ali”, afirmou o secretário municipal de Meio Ambiente da cidade, Roberto Messias. De acordo com ele, quem comprar o terreno enfrentará dificuldade em conseguir alvarás para construção.

(mais…)

Continuar lendoParte de terreno da PBH está na Estação de Fechos